A Vanity Fair entrevistou Tom Holland em seu novo episódio do podcast de mesmo nome onde conversaram sobre o mais novo filme do ator, Cherry – Inocência Perdida, que estreia mundialmente no dia 12 de março no streaming da Apple TV+.

Confira o áudio (a partir de 36:00) e tradução abaixo:

Como você tem se saído no último ano? Quero dizer, como tem sido a vida nesses tempos de COVID-19 para você?

Devo dizer, Richard, tive muita sorte durante esses tempos difíceis. Para mim, minha carreira não parou. Tive a sorte de poder continuar trabalhando. Fiz um filme chamado Uncharted com Mark Wahlberg no ano passado. No momento, estou filmando o Homem-Aranha 3. Então, tive muita sorte. Fiz uma pausa, fui para casa e fiquei em lockdown em Londres, e eu tive alguns meses onde eu estava inquieto em casa. Mas no geral, eu me diverti muito. E eu realmente gostei dos trabalhos em que tenho trabalhado. Eu definitivamente reconheço quanto sou sortudo por estar trabalhando, quando tão poucas pessoas estão no momento [e estão] realmente tendo um momento difícil. Então, eu tive muita sorte, e eu tenho me divertido.

Agora você está em um trabalho diferente, promovendo Cherry, e meio que divulgando a palavra sobre esse filme. Tenho um monte de perguntas sobre o filme, mas estou curioso em termos de qual é a história de origem? Obviamente você trabalhou com os irmãos Russo muito intensamente nos últimos anos. Foi só uma colaboração automática?

Sim, basicamente tão simples como isso, na verdade. Quer dizer, eu estava trabalhando com Joe e Anthony em Vingadores: Ultimato e Joe me levou para um canto e disse: “estamos fazendo este filme. Queremos que você seja o protagonista. É um filme pequeno e independente.” Ele não me disse do que se tratava. Ele meio que me disse que queria que eu estivesse nele. E, honestamente, fiquei tocado por eles quererem trabalhar novamente comigo. De todas as pessoas com quem podiam trabalhar, me senti muito honrado por terem me escolhido. E quando finalmente tive a chance de ler o roteiro, fiquei ainda mais impressionado, porque finalmente reconheci a oportunidade que me foi dada. Como um jovem ator, você está sempre procurando maneiras de se desafiar. Você está procurando maneiras de se esforçar, de uma forma que nunca fez antes. E eu acho que nós provavelmente poderíamos concordar que este filme atinge ambos os objetivos. Então, assim que li o roteiro e soube que eram os Russo fazendo isso, foi fácil, e foi um sim [farei o filme].

Ele definitivamente se sente, quero dizer, em termos de seu conteúdo e seu estilo, mesmo, como uma grande mudança para você. Você vê isso como seu primeiro papel adulto, ou seu primeiro papel como um adulto? Quero dizer, é assim que você olha para um projeto, ou é mais justo, essa coisa específica lhe interessa?

Essa é uma pergunta interessante. Depende do que você quer dizer com um papel adulto, mas meus agentes e eu somos muito estratégicos em escolher nossos momentos, e tentar ser realmente inteligente com quando decidimos dar o próximo passo para nos tornarmos adultos e fazer filmes sobre pessoas reais e sobre problemas reais e passar mensagens. E fizemos isso um pouco com “O Diabo de Cada Dia”, o filme do Antonio Campos. Esse foi o primeiro passo, mas Cherry é o grande passo. E foi por isso que foi tão assustador, porque eu nunca fiz um filme como este antes. E eu estava nervoso para ver como o mundo me veria naquela luz e com esse personagem. Obviamente, o filme ainda não saiu, mas estou muito apreensivo em ver como as pessoas reagem ao meu trabalho neste filme.

Há muita coisa intensa em Cherry. O que estava em sua mente quando leu o roteiro, a coisa mais assustadora? O que você estava com mais medo de filmar?

Acho que provavelmente foi o aspecto emocional do filme. Fisicamente, eu sabia que poderia fazer isso. Eu sabia que seria capaz de fazer. Mas emocionalmente, eu tenho muita sorte e vivi uma vida muito encantadora, e sou ator desde os 11 anos. Então, não tive que lidar com muitos traumas, tristezas ou coisas assim. Então, eu estava preocupado em não ser capaz de manter esse nível de emoção por um período de 4 meses. Foi aí que os Russo se tornaram tão valiosos, porque eram minha rede de segurança. Ciara Bravo era tão valiosa quanto. Ela foi minha parceira no crime, ela está absolutamente surpreendente no filme e é grande amiga. Não posso te dizer a sorte que tive por tê-la neste processo. Então, eu acho que para mim, sim, a coisa que mais me assustou foi manter esse nível de emoção.

Que tipo de preparação você fez? Eu acho que atores que são muito bons atores, eles podem cair na armadilha de quando eles deveriam estar atuando ou drogados ou algo assim, pode haver uma espécie de exibição para isso, como uma espécie de teatro. E algo que é realmente, eu acho, imersivo e revigorante sobre Cherry é que não há nada disso. Parece totalmente crível quando esses personagens estão nestes baixos de suas vidas. Falou com soldados, viciados, algo assim, na preparação para atirar?

Sim, com certeza. Fizemos muitas pesquisas. Quero dizer, devo ter me sentado [e conversando] com 30 pessoas diferentes, todos veteranos de guerra e médicos, e, todas sofrendo de PTSD (Estresse pós-traumático) e abuso de substâncias. Para mim, quanto mais informações eu pudesse obter sobre um problema sobre o qual sabia tão pouco no início, melhor. Trabalhei com enfermeiras. Trabalhamos com alguém que dirigia uma clínica de reabilitação em Cleveland, e ele se tornou nosso consultor e estava lá conosco todos os dias e nos mostrava como fazer injetável em alguém e nos mostrava como preparar heroína, ou nos explicava a sensação de como seria misturar um pouco de crack com heroína.

Há uma cena no filme em que vou assaltar um banco e atiro no carro um pouco antes. E ele nos disse naquele dia: “Você nunca faria isso antes de roubar um banco.” Mas se você colocar um pouco de crack aí, isso mudaria totalmente sua atitude e suas proezas físicas, eu acho. Então, ter pessoas no set assim para nos guiar durante o processo foi muito valioso.

Acho que sou um pouco mais velho que você, e esses personagens têm a minha idade. Eu estava na faculdade no início dos anos 2000, e o 11 de setembro foi minha primeira semana de faculdade. E as pessoas na minha cidade natal, bem, meu bairro em Boston, muitos deles foram perdidos para opioides, ou mortos, ou foram para a prisão. E você é mais jovem, mas você viu algum paralelo entre esse tipo de meia geração e sua idade, a Geração Z? Você acha que muitas dessas coisas ainda estão em andamento?

Sim. Quero dizer, sem dúvida a epidemia de opioides é pior agora. E está afetando muito mais pessoas. Acho que uma das minhas coisas favoritas que Joe disse, Joe Russo, é a abertura do filme são essas cenas sobre Cleveland. Voamos sobre Cleveland e vemos milhares e milhares de casas. E isso é para transmitir ao público que, sim, estamos contando a história de duas pessoas, mas na verdade, estamos contando a história de milhões de pessoas. Esta é uma história entre milhões. E eu realmente espero que este filme possa lançar a luz sobre um problema que é invisível, e um problema que é mais combatido nas sombras. As pessoas têm muita vergonha de falar sobre seus vícios e esse tipo de coisa. Então espero que isso ilumine esse problema, e as pessoas mudem de atitude em relação às pessoas que sofrem de vício.

É quase surpreendente que não tenha havido algo sobre este assunto de forma épica. Como foram as conversas no set sobre o estilo do filme? Quero dizer, é bem estilizado. Você sentiu isso nas gravações, ou isso foi adicionado depois?

Absolutamente. Quero dizer, os Russos mudaram sua maneira de filmar uma e outra vez enquanto estamos fazendo este filme, de diferentes lentes que eles estavam usando, de diferentes estilos de iluminação, de diferentes técnicas de performance. Eles nos enquadravam às vezes de forma muito diferente ao longo do filme. Então, estávamos muito cientes do tipo diferente de capítulos que estávamos tentando fazer. No início do filme tem esse tipo de realismo romântico. E então entramos nesse absurdo, tipo, de guerra no filme. E de repente somos socados na cara por essa versão muito realista e angustiante do abuso de drogas. Então, sim, estávamos muito cientes das mudanças tonais durante todo o processo de fazer este filme.

Foi um grande momento raspar cabeça no filme?

Sim. Bem, nós já tínhamos raspado minha cabeça, porque estávamos filmando antes. Mas o que fizemos foi ter uma semana de trabalho onde permitimos que [o cabelo] crescesse, e então ele foi raspado. Mas eu adorava ter a cabeça raspada. Foi tão bom. Foi tão refrescante acordar, sair da cama e perceber que seu cabelo já estava pronto. Foi um dos únicos luxos de interpretar esse personagem.

Sim. Deixei meu cabelo ficar muito comprido durante a quarentena, e então disse: “Dane-se. Eu vou ter o corte de cabelo mais curto que eu tenho em anos. E é libertador. Você acorda e ta pronto.

Realmente.

Você está no set, filmando outra coisa agora, em tempos muito alterados de quando eu acho que Cherry foi filmada. Como é estar de volta ao set? Quero dizer, eu não estou pedindo spoilers ou qualquer coisa, não se preocupe, mas apenas em termos do dia a dia real de filmar um filme com todas essas novas restrições, como tem sido essa experiência?

Quero dizer, eu adoro estar no set. É onde me sinto mais em casa. É obviamente limitante, com a COVID-19, e estamos tendo que ser muito cuidadosos e muito responsáveis na maneira como nos comportamos. Há certos protocolos que temos que seguir, para garantir que mantenhamos esse nível de segurança para o elenco e a equipe. Pode ser um pouco tedioso às vezes, mas é tão necessário. E todos reconhecemos como temos sorte de estar trabalhando agora. Então é uma necessidade que não nos importamos de assumir porque, como eu disse, também temos sorte de estar aqui.



YouTube
Parceiros
Status
Nome: Tom Holland Brasil
Desde: 6 de janeiro de 2016
URL: tomholland.com.br
Contato: tomhollandbrasil@gmail.com
I.P:
Online:
Visitas:
tom holland brasil © 2016 - 2021 - todos os direitos reservados
desenvolvido por murilo & lannie design