O fato de que as primeiras palavras que saíram da boca de Tom Holland serem: “vibrador” (Holland estava preocupado que, pelo Zoom, um par de cortadores de cabelo poderia parecer um brinquedo sexual) e “heroína” me dão uma boa indicação de quanto o bailarino de 24 anos do sul de Londres cresceu a partir da longa e elástica sombra do Homem-Aranha desde a última vez que o mundo viu seu seu sexto sentido.

Outra indicação é a polpa emocional e física em que Holland encontrou há 14 meses: desajeitado, encharcado de suor e de olhos arregalados, com um par de cuecas slip em torno de suas coxas, no set de Cherry, um filme independente filmado em Cleveland, Ohio, e dirigido pelos irmãos Russo, Anthony e Joe, com roteiro de sua irmã, Angela Russo-Otstot, e Jessica Goldberg.

Cherry é o momento de Holland experimentar suas calças de estrela de cinema crescida. O passeio é selvagem, traumático e cru. O assunto é claramente adulto: é uma história de amor tóxica, ambientada antes e depois da Guerra do Iraque de 2003.

Você já usou heroína antes?” Holland me pergunta, eu assumo retoricamente. “Porque eu não usei. Eu não podia sentar lá no set e injetar heroína no meu peito – não é assim que é feito. Eu tinha que fazer direito. Este papel me levou a alguns dos lugares mais sombrios que eu já estive, emocionalmente, fisicamente, qualquer coisa… Eu nunca mais voltaria lá, não por ninguém. Estou feliz por ter feito isso, mas essa porta agora está fechada e trancada.

Por inúmeras razões, o desempenho de Holland em Cherry é surpreendente. Durante quase todo o filme você pode ver – quase sentir – os produtos químicos sacudindo dentro de suas veias pálidas e ofegantes. No entanto, está mais para Ewan McGregor em Trainspotting do que para Timothée Chalamet em Beautiful Boy; há horror, claro, mas também há uma sensação distinta que os diretores querem empatia pela história de seu personagem.

A pele do cara fica pálida, com toda a putridão incolor de frango cru de três dias. É um filme em que os demônios (e os problemas contemporâneos da América) são enfiados na sua garganta, através de seus olhos, enquanto o traje aracnídeo do Universo Cinematográfico Marvel está completamente ausente. Os fãs de Spidey ficarão chocados com tais cenas.

EU ESTAVA SEPARADO DE MUITAS CRIANÇAS. VAMOS ENCARAR, EU ESTAVA FAZENDO BALÉ… AINDA ASSIM, QUEM ESTÁ RINDO AGORA?

Acho que algumas pessoas na Disney ficaram confusas sobre por que o Homem-Aranha se tornou um viciado em heroína.” Holland diz, rindo, claramente gostando da ideia de que alguns dos executivos da Disney – que compraram a Marvel em 2009 por um montante de US$ 4 bilhões – podem estar suando um pouco sob as luzes aqui. Holland, afinal, é uma das estrelas mais valiosas do mundo, se não a estrela mais valiosa do MCU.

O ator está falando comigo de uma casa alugada em Atlanta, Geórgia, onde ele está filmando Homem-Aranha 3 (Spider-Man: No Way Home). Ele está aqui desde setembro e “Estamos perto de terminar, na verdade“. Hoje (uma segunda-feira) é um bom dia porque é o dia da folga semanal de Holland. Depois de falar comigo, ele vai a um clube de golfe local com um de seus irmãos mais novos – Harry, que tem dobrado  o trabalho como seu assistente; Holland tem outros dois irmãos – e bater alguns ferros no gramado cortado em uma tentativa de esquecer. Esquecer quem ele é e esquecer, apenas por um momento fugaz, a pressão intransponível que vem com ser quem ele é.

Cherry é uma adaptação da estreia literária do autor Nico Walker, uma autobiografia (em maior parte) factual que conta a história de um homem inteligente e vulnerável, “Cherry” (Holland), que foge dos bongs do subúrbio velho, das contas não pagas e do tédio do desemprego ao se inscrever no Exército dos EUA e ir prontamente para o fedor encharcado de petróleo do Iraque. Pista: isso acaba por ser um grande erro.

Ele treina para matar os “Haji” (termo pejorativo para os iraquianos, usado por militares dos EUA durante o conflito de 2003), aprende a colocar as entranhas quentes de seus companheiros de volta para dentro como um médico do exército, é arrastado para o “Triângulo da Morte” do Iraque, espera, se masturba em uma barraca militar no meio do deserto pensando em sua linda esposa que ficou em casa em Cleveland (interpretada soberbamente por Ciara Bravo) e depois espera um pouco mais.

Assim que as coisas começam a ficar chatas, ele observa enquanto seus amigos da marinha sofrem um golpe direto e queimam vivos em seu Humvee cor de poeira, a aliança de casamento de seu colega de beliche brilhando da massa enecante de corpos carbonizados e metal torcido como uma lua crescente em um céu de inverno. Experiências como esta afetam um homem.

Voltando para casa, nosso anti-herói encontra sua vida pós-guerra totalmente abalada por um estresse pós-traumático grave que, por sua vez, graças aos médicos americanos distribuindo prescrições de opióides como multas de estacionamento na época, leva ao abuso de Oxicodona. A esposa de Cherry também se torna escrava da droga. Então eles começam a injetar heroína por via intravenosa e nosso personagem toma a decisão de financiar seus hábitos com uma onda de assaltos a bancos de forma amadora e armado.

Holland é devastadoramente intransigente em sua representação do vício. A cena específica mencionada – aquela que começa com Holland chegando ao chão de cueca – é particularmente indutora de ansiedade. Mostra Holland e sua esposa em farrapos depois de uma farra de quatro ou cinco dias, tendo quebrado o cofre de um traficante de drogas e encontrado droga suficiente para criar o fantasma de John Belushi. “Eu precisava fazer a droga e tomar e as consequências da droga parecerem realistas“, explica Holland. “Eu tinha que ficar ligado, sem ficar ligado, sabe o que quero dizer? Então eu tinha uma arma secreta. Seu nome era Brian”.

Brian era um viciado, mas agora ele instrui estrelas de cinema a entregar autenticidade como um soco no estômago. “Ele trabalha em uma clínica de reabilitação, mas ele vinha para definir e aconselhar sobre coisas como nomes de drogas, quanto certas drogas devem custar, qual seria o seu efeito para mim e como tomá-los.”

DISNEY PODE ESTAR CONFUSA SOBRE POR QUE SEU HOMEM-ARANHA SE TORNOU UM VICIADO

As notas de Brian eram inestimáveis para Holland, um ator que constrói seus personagens, por dentro e por fora, como enormes quebra-cabeças 3D com cem pequenos ajustes para completar um filme convincente. O que é que ele te disse? “Como um viciado lamberia a gota de sangue da ferida de entrada da agulha na pele do antebraço interno para obter a última gota possível da droga. Ou a pressa de tomar uma “speedball” antes de um roubo – heroína misturada com cocaína – em comparação com a sonolência e tontura de tomar apenas heroína. Coisas que eu simplesmente não teria sabido.”

Para aquela cena no chão, no entanto, Holland precisava de um pouco mais do que apenas notas de papel de Brian. “Eu simplesmente não achava que poderia fazer isso“, explica Holland. “Quero dizer, como é acordar depois de tomar drogas por quatro dias? Eu sei como é uma ressaca, mas isso é muito diferente. Eu disse que não achava que conseguiria fazer e ele disse-me: “Parece que você quer arrancar a sua pele.” Ele disse: “Bem, Tom, vou consertar isso para você. Eu tenho a coisa certa…

Eu sei“, disse Holland, sorrindo, vendo meus olhos arregalados na expectativa do que Brian pediu a Holland para tomar para garantir uma performance de nocaute. “Confie em mim, eu estava pronto para chamar meu agente também. De qualquer forma, Brian tira duas pequenas garrafas plásticas de pré-treino. São tipo shots de energia supercarregadas, o tipo de coisa que loucos de academia fazem antes de uma grande sessão. Brian me disse: “Beba isso.” Foi o que eu fiz. E nas próximas três horas foi como se eu estivesse conectado na rede de energia, totalmente drogado com cafeína. Foi horrível, mas me ajudou a chegar onde precisava estar. Eu ficaria longe dessas coisas, a propósito. Eles devem ser impossivelmente nada saudáveis.”

Muito do que Holland pode fazer na tela que outros não conseguem tem a ver com a habilidade de controlar seu corpo. Holland fez de sua fisicalidade o que Marlon Brando fez da camiseta branca simples, ou o que Morgan Freeman fez de sua voz que soa como um leão gargarejando mel de Manukau e cascalho.

Ao longo de toda a sua carreira, na verdade, seja interpretando Billy Elliot no palco no West End aos 12 anos ou girando as teias em volta de supervilões ao lado de Tony Stark no MCU, uma grande quantidade do que faz Tom Holland ser Tom Holland vem de como ele se move, em vez das falas que ele entrega.

Acha que a encarnação do Homem-Aranha de Holland é “desajeitada” por acidente? Esqueça. É preciso a precisão esticada e controlada de um bailarino de ponta para fazer “não atingir sua marca acidentalmente de propósito” parece tão bonito e espontaneamente acidental – especialmente enquanto vestido com uma camisa de Lycra balançando de cabeça para baixo em frente a uma tela verde de cinco andares“.

CHERRY ME LEVOU A ALGUNS DOS LUGARES MAIS ESCUROS QUE JÁ ESTIVE. EU NUNCA VOLTARIA LÁ, NÃO POR NINGUÉM.

Eu tive que perder muito peso para Cherry”, disse Holland. “E acho que eu nunca faria isso de novo.” O filme foi filmado em capítulos: ele fez a parte das “drogas” do filme antes de qualquer uma das cenas do exército dos EUA, então ele teve que perder muito peso rapidamente e, em seguida, ganhar novamente ainda mais rápido. “Perdi cerca de 13kg correndo como um saco de lixo todos os dias.” Vinte e sete quilos é o tamanho de uma criança pequena segurando um abacaxi grande, ou a quantidade média de queijo que um americano come em um ano. Não é uma quantidade enorme se seu nome for, digamos, Dwayne “The Rock” Johnson, mas, para Holland (1,70m; 64kg), isso é cerca de um quarto de sua massa corporal.

Foi horrível. Verdadeiramente. Só depois de umas dez semanas de filmagens que eu percebi no que eu estava me metendo e o que eu precisava fazer para me transformar no personagem. Então eu sentei com meu treinador, George Ashwell, e ele me disse: ‘Certo, você precisa comer apenas 500 calorias por dia e correr 16km. Vá. Legal. Foi brutal. E ganhar o peso de volta, indo de um viciado em drogas para filmar cenas como um fuzileiro? Fiquei muito doente, na verdade. E mudou minha relação com a comida completamente. Acho que seria muito difícil encontrar um papel que justificasse esse tipo de abuso no meu corpo novamente.”

Esse personagem faz escolhas ruins“, explica Joe Russo, metade dos formidáveis irmãos Russo, diretores de Cherry. “Sabíamos que o público teria dificuldade com o protagonista, então precisávamos de alguém charmoso e empático para levá-los adiante. A missão com Cherry era fazer com que as pessoas tivessem uma resposta emocional ao material, não uma resposta intelectual.”

O diretor continua: “Você tende a intelectualizar quando você está afastado do personagem principal. O incrível charme do Tom pode neutralizar isso. Depois que lemos o livro, sentimos que a única pessoa que poderia tocar isso e carregar o nível correto de empatia era Tom. Acho que estávamos fazendo um trabalho de ADR depois de Vingadores: Guerra Infinita e perguntamos a ele. Ele se jogou 150%, física, emocionalmente, espiritualmente – tem seu preço, esse tipo de material, sabe?

Lançar o Homem-Aranha, a qualquer momento, é importante. À medida que o sucesso comercial da Marvel continuou a aumentar em 2014 e 2015, no entanto, tornou-se um negócio ainda maior. Muitas pessoas poderiam ganhar muito dinheiro. E muita gente queria assinar quem seria o próximo Peter Parker. A Sony sabia disso muito bem.

Conversamos com Feige na Marvel sobre Holland e ele ficou animado e depois fomos para a Sony…” explica Joe. “E eles ficaram, ‘Vamos pensar sobre isso por um minuto.’ Podemos dizer que estávamos encontrando resistência da Sony. Então nós trouxemos [Holland] de volta, trouxemos ele de volta, e fomos implacáveis em nossa busca de enfiá-lo goela abaixo do estúdio que possui este IP. Chegou a uma briga, mas a Sony continuou arrastando seus pés.”

Pergunto aos irmãos o que eles acham que as reservas iniciais da Sony eram sobre Holland? “Olha, nós temos uma ótima relação com Kevin. Soldado Invernal foi um grande sucesso, dobrando a bilheteria do filme anterior, então entrando na Guerra Civil a Sony está olhando para nós, ‘OK, então vocês têm o toque de Midas. Aqui está o nosso IP [Homem-Aranha]. Mas, também, eles estavam reticentes, nervosos, sobre entregar algo que poderia, em última análise, custar-lhes centenas de milhões de dólares, se não bilhões de dólares abaixo da linha.”

“QUANDO ME TORNEI O HOMEM DE FERRO, POUCOS TINHAM OUVIDO FALAR DELE… MAS TODO MUNDO CONHECE O HOMEM-ARANHA” – ROBERT DOWNEY JR.

As reservas da Sony foram: ‘Estamos emprestando? Ou estamos dando a eles para nos ajudar a reinventá-lo de uma forma que agrega valor para nós?‘” Anthony Russo também acha que foi a idade de Holland, mais do que qualquer outra coisa, que deu à Sony o nervosismo. “Foi a primeira vez que o Homem-Aranha foi escalado como um adolescente de verdade, certo? O que era muito importante para nós; havia um nervosismo distinto de lançar uma criança”.

HAVIA 400 CARAS DURÕES TREINANDO PARA SEREM SOLDADOS… USEI MINHA CAMISA DE RÚGBI DA INGLATERRA. ERA MINHA ARMADURA.

Antes de começar a trabalhar em No Way Home, Tom Holland filmou outro filme, Uncharted, com estreia prevista para 2022. Se Cherry é um filme independente de “ação” filmado por diretores que têm mais afinidade com alguém como Steven Soderbergh, então Uncharted tem mais em comum com um filme de ação de Michael Bay. Precisava de mais volumes de Holland. Também exigiu parecer um pouco mais “legal”. Não legal legal. Não legal no estilo Soderbergh. Mas legal, como Holland tinha que ficar parado “parecendo legal”. Foi uma experiência de vaidade que deixou um gosto estranho em sua boca.

Assim que você começa a se preocupar com ‘Eu fico bem nessa cena?’ atuar se torna algo diferente de interpretar um personagem. Acho que há elementos da minha performance em Uncharted onde eu meio que caí sob esse feitiço de ser “Eu quero ficar bem na câmera agora. Eu quero que este seja o meu momento legal. Eu tive que interpretar esse cara muito duro, muito estoico – basicamente ser Mark Wahlberg. Meu personagem deveria ser um herói de ação neste momento! Olha, eu não vi, então não sei se consegui isso. Mas foi uma lição importante aprendida, porque, às vezes, era menos sobre ficar na marca e fazer esta cena e mais sobre ficar na marca parado, e ‘olha meus bíceps salientes!’… Foi um erro e é algo que provavelmente nunca mais farei.”

Reconfortantemente o suficiente para muitos jovens que leem isso, no entanto, Holland nunca se encaixou naqueles traços masculinos tradicionais da velha escola (embora ele me assegure que tem esse lado ardente: “Eu sou filho da minha mãe, afinal de contas“). Crescendo no sul de Londres, ele foi para uma escola católica onde, como todos os adolescentes, credibilidade, elogios e coisas legais vieram ao lado de triunfos esportivos no campo,  fumando cigarros, beijando e sendo geralmente adolescente.

Fui intimidado, implicado, xingado, coisas assim“, diz ele. Holland também sofria de dislexia, embora ele seja inflexível em dizer que o diagnóstico não o impediu, pelo menos não socialmente. “Eu não ia para a escola e apanhava todos os dias. Mas eu estava definitivamente separado de um monte de crianças, principalmente porque entre os 11 e 13 eu estava trabalhando em Billy Elliot. Saindo de um ambiente de trabalho tão adulto, achei difícil voltar para a escola. Achei estranho que outros não estavam fazendo seu dever de casa; Eu tinha sido condicionado a fazer o que me ensinaram. E, vamos encarar, eu estava fazendo balé, que quando era jovem não era a coisa mais legal do mundo. Eu não terminei, mas eu poderia voltar, talvez estudar marcenaria. Ainda assim, quem está rindo agora, hein?

No entanto, Holland teve uma experiência não diferente no set de Cherry no ano passado. As cenas da Guerra do Iraque foram filmadas no Marrocos e o ator teve que voar para lá prontamente depois de filmar as cenas de drogas emocionalmente desgastantes do filme. “De repente, depois de fazer aquelas cenas íntimas, um filme sobre duas pessoas e estresse pós-traumático e vício em Cleveland, eu estava em um filme de guerra.”

Há explosões acontecendo, Humvees por toda parte, armas. Sabe, o mais perto que cheguei de disparar uma arma é um Nerf. De repente eu tinha oito ou nove atores, meus amigos na marinha, que estavam interpretando meus melhores amigos. Achei difícil fazer relacionamentos tão rápidos com essas pessoas. E, na verdade, me lembrou dos meus dias de escola. Todos esses caras e centenas de figurantes estavam lá fora no deserto há semanas, se conectando, e eu simplesmente não me encaixava com a vibração realmente masculina, tóxica, guerra, de soldado.”

Em vez de permitir que o chão o engolisse, no entanto, Holland estendeu a mão para uma fantasia. Ou, mais especificamente, uma camisa. “400 figurantes, todos caras americanos, duros, treinando para serem soldados – eu usei minha camisa de rugby da Inglaterra. Coloquei e fui pra lá como se fosse o número nove contra o All Blacks, pronto para ir. Era minha armadura.”

“MEU PAI ME ENSINOU QUE VOCÊ NÃO QUER FICAR SUPER FAMOSO [DA NOITE PARA O DIA], PORQUE VOCÊ NÃO SERÁ CAPAZ DE LIDAR COM ISSO”

Ainda assim, alguma virilidade belicosa deve ter passado com Holland, como quando ele se juntou a No Way Home em Atlanta no outono do ano passado, a super-produtora Amy Pascal notou algo distintamente diferente sobre ele. “Amy ficou, ‘Tom o que aconteceu com você? Você é um homem agora. Bem, você precisa ser um menino de novo…‘”

Tom Holland está tentando descobrir Tom Holland o tempo todo. Todo o maldito tempo. Ele está aprendendo, às vezes inconscientemente. Ele se empurra e então ajusta sua trajetória. Acelerando. Travando. Acelerando um pouco mais. Ele se preocupa profundamente com suas decisões e as consequências de suas decisões. Ele está plenamente ciente de como o brilho da fama está atualmente. Isso o incomoda.

Tome seu Lip Sync Battle, que aconteceu em  maio de 2017. Se você não é uma das quase 75 milhões de pessoas que assistiu a performance vencedora de Holland o clipe de dois minutos e 24 segundos mostra ele imitando “Umbrella” da Rihanna e dançando como, bem, alguém que pode realmente dançar. Com shorts pretos de látex com babados brancos, um body preto, uma peruca bob preta e batom vermelho escarlate. Sob chuva falsa. Com fogos. “Sensacional” não faz justiça.

Pouco antes, no entanto, o pai de Holland, Dominic Holland, um comediante e autor, tentou dissuadir seu filho de participar. Ele ligou para o Tom em Los Angeles e disse-lhe para contar ao programa, aos seus agentes, a todos que ele tinha mudado de ideia. Ele estava preocupado que uma performance tão arriscada pudesse abalar o que já era uma trajetória de carreira insana. Pode-se ter empatia com a preocupação de seu pai. Afinal, por que correr o risco? Ele era o Homem-Aranha. O que isso alcançaria, realmente? Para quem Tom estava se apresentando? O show vai encontrar outra pessoa. Eles sempre fazem isso. Eles superariam isso. Mas sua carreira talvez não. Pare. Aja com cautela.

Olha, eu estou realmente feliz que eu fiz esse show e eu me diverti muito. Foi incrivelmente estressante. Foi incrivelmente bem sucedido e tem sido uma grande coisa para minha carreira. Mas meu pai sempre me ensinou quando eu era mais jovem e começando no negócio que você quer ficar famoso o mais devagar possível. Você não quer ficar super famoso amanhã, porque você não será capaz de lidar com isso. Vai arruinar sua vida. Sou muito seletivo com quem falo e com o que faço. Eu nunca quero me expor demais, porque minha privacidade é a última coisa que eu possuo. Acho que é por isso que ele estava tão preocupado. E ele me diria a mesma coisa hoje, tenho certeza: ‘Acalme-se, você tem uma longa carreira pela frente.’ Não quero me perder para isso…

Navegar em Hollywood é algo que Holland falou com sua co-estrela do Homem-Aranha, Zendaya, tão recentemente quanto na semana passada, na verdade. “Falar com Zendaya me ajudou muito, na verdade“, admite Holland. “Eu costumava às vezes ser meio rude com os fãs, principalmente por ficar sempre tão surpreso que eles iriam querer uma foto comigo ou autógrafo ou qualquer outra coisa. Eu teria a reação típica londrina, uma de suspeita instantânea: “Por que você está falando comigo?” Zendaya viu isso e rapidamente me disse que esse tipo de reação seria pior do que apenas sorrir e tirar a foto. Ela mudou totalmente a maneira como eu sou capaz de ser mais confortável em público“.

Holland, é claro, já é tão famoso quanto a Coca-Cola. O irrita quando os fãs, a mídia, quem quer que seja, o ligam romanticamente com seus colegas? “Você quer dizer, porque eu marquei Zendaya na minha virilha em um post no Instagram?” Holland diz, inclinando-se para trás e rindo. “Isso foi tão engraçado; Foi obviamente um erro. Mas com toda a seriedade, também é incrivelmente frustrante. É muito estressante. Significa que se você está namorando alguém, você tem que estar realmente consciente de seus sentimentos, porque se algo acontece entre vocês dois, não está acontecendo apenas entre vocês dois, está acontecendo na frente do mundo inteiro. E pode ser muito complicado. É uma das coisas que mais me preocupo, de todas as coisas da minha carreira.”

Então, aqui está uma pergunta totalmente casual sobre esse assunto em específico, Tom: tornar-se o Homem-Aranha tem sido benéfico para sua vida amorosa ou não?

Silêncio. E um sorriso largo se espalha lentamente pelo rosto angelical e barbeado de Holland. Há uma risada nervosa. “Eu não vou responder a essa pergunta.”

Dá pra colocar tudo o que Tom Holland pode me dizer sobre o novo filme do Homem-Aranha na parte de trás de uma caixa de fósforos encolhida por partículas Pym do Hank Pym. (Não entendeu? Assista Homem-Formiga.) Uma coisa, com certeza, é que seu irmão Harry aparece. “Sim! Ele está no filme, posso te dizer isso. Estávamos fazendo um churrasco e perguntei ao Jon Watts [o diretor] se o Harry podia ter algo para fazer no filme e ele gostou da ideia. Tenho que deixar o Harry de cabeça para baixo. Ele fica nos fios por algum tempo, então parecia uma espécie de vingança. Eu tive pena dele depois de um tempo e o amor de irmão voltou“.

Ele está de volta atuando ao lado de Zendaya? “É tão divertido estar de volta com eles, especialmente porque Zendaya e eu estamos passando por coisas semelhantes em nossa carreira, tendo assumido papéis mais adultos para agora voltar ao Homem-Aranha. Estou tão orgulhoso do que ela conseguiu com Euphoria e também Malcolm & Marie. Acho que ambos tivemos que nos ajustar novamente para o No Way Home: eu tive que levantar minha voz um par de oitavas mais alto e nós dois tivemos que voltar a interpretar esses adolescentes ingênuos e encantadores novamente. Estávamos falando sobre isso ontem, na verdade. Estávamos filmando uma cena onde voltamos para a escola e, bem, eu não vou à escola desde os 15 anos. Foi muito estranho“.

E Andrew Garfield, como ele é no set? E Tobey Maguire? Rumores têm inundado fóruns de fãs desde o verão passado que ambos os ex-Homens-Aranha estão voltando a estrelar ao lado de Holland em seu terceiro longa- metragem. Houve avistamentos não confirmados de Garfield em Atlanta, onde as gravações permanecem até fevereiro. “Eu sabia que você ia me perguntar isso. Não, eles não estão no set. E nenhum deles está neste filme. Mas me fizeram muitas perguntas. Se você vir um ponto vermelho na minha cabeça é um atirador da Sony ou Marvel prestes a estourar minha cabeça.”

O mais impressionante é, no entanto, que este poderia muito bem ser o último filme do Homem-Aranha de Holland. Sim, de verdade. “Não temos muita filmagem faltando agora e é muito triste, porque é o fim do meu contrato depois que este filme acabar”, revela Holland. “Eu realmente não sei o que o futuro reserva, então estou apenas saboreando cada momento, pois pode ser potencialmente o último.”

Vamos lá, eu digo, eles não vão demiti-lo. E você não vai vazar. “Não, claro, espero que não, mas não tenho outro contrato – ainda. Como eu fui escalado como Homem-Aranha há seis anos, eu sempre tive o contrato lá como uma rede de segurança. Eu nunca precisaria me preocupar, pois, no ano que vem, eu sempre tinha outro filme do Homem-Aranha – mas não mais. Só estou olhando para o meu telefone esperando que ele toque com um novo contrato. Holland famosamente descobriu que tinha ganho o papel do Homem-Aranha através da imprensa online, antes mesmo de ele ter um telefonema ou mensagem da Marvel. Talvez o mesmo aconteça aqui? “Sim, talvez eu já esteja inscrito para o Homem-Aranha 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 sem nem saber.”

“NEM ANDREW NEM TOBEY ESTÃO EM NO WAY HOME… SE VOCÊ VER UM PONTO VERMELHO NA MINHA CABEÇA É UM ATIRADOR DA SONY OU MARVEL.

Então ele diria que sim? “Com certeza. Cem por cento, sim.” Alguma cláusula de renegociação? “Precisamos manter a mesma equipe principal. O diretor, Jon Watts, é tanto Homem-Aranha quanto eu. Zendaya, Jacob [Batalon].” E quanto aos extras? “Extras?” Ele, por exemplo, quer seu próprio traje do Homem-Aranha para levar para casa? “Você sabe, eu não tenho o meu próprio traje ainda. Eu poderia pedir um desses. Boa ideia. E eles têm um monte deles por aí. Ou eu poderia roubar um. Eu deveria ir para casa de traje e falar, “Venha e tire de mim!” Eles nunca encontrariam os zíperes escondidos“.

Zíperes escondidos? “Sim, é muito desconfortável. Um privilégio de usar, mas desconfortável”. O que Holland usa debaixo do seu terno Spidey? “Eu uso uma tanga. Como uma coisa de jockstrap. Eu tenho uma tanga e um traje de malha e, em seguida, o traje do Homem-Aranha, feito de material muito grosso por cima.” Holland faz uma pausa por um segundo, perdido em pensamentos. “Se eu roubasse um traje, o que eu faria com ele?” Encenação? “Eu não poderia colocá-lo em um manequim na minha sala de estar, poderia? Como um troféu. As pessoas pensariam que eu sou totalmente obcecado por mim mesmo. Eu estava na fábrica de trajes outro dia e eles têm um modelo de espuma do meu corpo. Tipo, é uma réplica perfeita, precisa por milímetros.”

Um pouco estranho?

Sim, eu sei. Eu estava olhando para ele. É muito estranho se ver. Olhei para o meu traseiro e pensei: “Oh, eu não deveria estar fazendo isso…” Mas então percebi que era minha bunda e eu poderia fazer isso. Então eu dei uma boa olhada. Sim, então isso é estranho. O que acontece com esse manequim quando as filmagens terminam? Quem me leva para casa?”

Deixo nossa mais valiosa e amigável estrela de cinema da vizinhança com questões existenciais profundas que dariam a qualquer psicoterapeuta de Beverly Hills uma boa corrida pelo seu dinheiro. Robert Downey Jr estava absolutamente certo: sempre haverá outro Homem-Aranha. Outro Tom Holland, no entanto? Impensável.



YouTube
Parceiros
Status
Nome: Tom Holland Brasil
Desde: 6 de janeiro de 2016
URL: tomholland.com.br
Contato: tomhollandbrasil@gmail.com
I.P:
Online:
Visitas:
tom holland brasil © 2016 - 2021 - todos os direitos reservados
desenvolvido por murilo & lannie design